Fundamentos em
Bio-Neuro Psicologia

A formação do cérebro humano a partir de um pequeno grupo de células, é um processo extraordinário que leva muitos anos para atingir o potencial pleno em termos de habilidades sensoriais, motoras e intelectuais. Embora seu decurso não seja regular, segue uma sequência bastante previsível.

 

Formação do tubo neural:

A neurulação é o evento-chave no desenvolvimento do sistema nervoso. Ele acontece quando a medula espinha primitiva (notocorda) envia um sinal aos tecidos que a recobre para que se torne mais espesso, formando a placa neural. Esta invagina-se criando assim o sulco neural. As pregas dentro dele funde-se e fecham para formar o tubo neural. Parte do tecido das pregas é bloqueado para originar a crista neural, futuro sistema nervoso periférico.

 

 

Da concepção ao nascimento:

Nos dias seguintes à concepção o embrião é só um minusculo aglomerado de células (morula). O desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso como um todo começa em 3 semanas, com a diferenciação celular que forma a placa neural ao longo do dorso do embrião; esta se amplia e sofre uma invaginação dando origem ao tubo neural, cujo a cavidade interna é cheia de liquido amniótico, que se tornará o encéfalo e a medula espinhal. O primeiro começa a se desenvolver em 4 semanas como um diminuto bulbo na extremidade superior do tubo neural; a segunda é formada pela parte inferior do tubo. As principais partes cerebrais - córtex incluído - são visíveis em 7 semanas a partir de então o cérebro começará a crescer e se desenvolver.

Com 3 semanas:

Nas primeiras semanas o tubo neural forma-se ao longo da parte posterior do embrião, a partir da qual três partes distintas serão criadas. Neste estagio olhos rudimentares e visiculas do ouvido começam a surgir.

Com 7 semanas:

O embrião tem cerca de 2cm de comprimento e as circunvoluções, se tornarão o tronco encefálico, o cerebelo e o cérebro agora estão claramente visíveis. Os nervos cranianos e sensoriais também começam a se desenvolver.

Com 11 semanas:

O cérebro aumenta de tamanho, olhos e ouvidos amadurecem, movendo-se para as posições finais. A cabeça ainda é grande em relação ao restando do corpo, mas este em breve iniciará umsurto de crescimento. O cérebro posterior (rombencéfalo) origina o cerebelo e o tronco encefálico.

No nascimento:

O cérebro continua a se desenvolver e as fissuras (sulcos) e saliências (giros) aumento em complexidade no nascimento, o bebê tem tantos neurôrios quanto um adulto (100 bilhões), a maioria tendo sido formada até o sexto mês gestacional, embora eles ainda não estejam amadurecidos.

Defeitos do tubo neural:

 

Espinha bífida:

Este defeito do tubo neural pode se dividir em:

Um dos vários defeitos congênitos conhecido como “defeitos do tubo neural” -DTNs. Geralmente, afeta a coluna vertebral e, em alguns casos mais graves, a medula espinhal e as meninges. Esta é uma das malformações mais comuns e afeta entre 1.500 e 2.000 bebês nascidos nos EUA por ano.

 

Espinha bífida oculta:

A espinha bífida oculta resulta de uma falha no crescimento e fusão das metades do arco vertebral. Ocorre entre as vértebras L5 e S1. Geralmente não apresenta sintomas clínicos e nos casos menores sua única evidência é uma depressão com um tufo de pêlos

Espinha bífida - Cística do tipo Meningocele:

Quando o “saco” formado contém as meninges e o fluido cerebroespinhal. A Medula Espinhal e as raízes espinhais estão em sua posição, mas pode haver anormalidade dessas estruturas.

Espinha bífida - Cistica do tipo Mielomeningocele ou Meningomielocele:

Mielomeningocele-É mais grave que a anterior. O “saco” contém as raízes nervosas e/ou a medula espinhal. Entre os sinais clínicos estão paraplegia, perda da sensação na parte inferior do corpo e incontinência.

Espinha bífida – cística do tipo mielosquise:

É o tipo mais grave de espinha bífida. Neste caso a medula espinhal na área afetada está aberta. Isso faz com que a medula espinhal seja representada por uma massa achatada de tecido nervoso.

Anencefalia:

É um outro "defeito do tubo neural" . Quando a porção superior do tubo neural não se fecha, o resultado é a anencefalia. No entanto, a causa específica não é conhecida. Alguns acreditam que essa condição possa estar relacionada às toxinas ambientais, mas nenhuma ligação total foi feita. Além disso, os baixos níveis de ácido fólico no plasma parecem contribuir para os defeitos do tubo neural. A anencefalia pode ser detectada, através Do exame de ultrasonografia, por volta da 8ª semana de gestação

Encefalocele:

Defeito de fechamento do crânio durante a gestação, com vários graus de protrusão do encéfalo, meninges e líquor, através da falha craniana. Ocorre 1 caso de encefalocele para cada 5.000-10.000 crianças nascidas vivas e existe predominância do sexo feminino nas encefaloceles posteriores. A grande maioria das encefaloceles situa-se nas região occipital, mas pode ocorrer na região craniofacial.

 Cirurgia de espinha bífida:

Referências bibliográficas:

 

MORAES, Alberto Parahyba Quartim de - O Livro do cérebro. Vol 4. São Paulo. SP, Editora Duetto - 2009. Pag 228.

 

FRANCO S. Norma – Descomplicando as praticas de laboratório de neuroanatomia -2005

Fundamentos em Bio-Neuro Psicologia PUC-Rio - Todos os direitos reservados